Projeto Brawzinho

 

 

O projeto Brawzinho tem por finalidade viabilizar o treinamento e participação em competições internacionais de windsurf do atleta cearense Marcílio Browne, conhecido como Brawzinho; e o desenvolvimento de ações de formação com o atleta no Titanzinho, localizado no bairro Serviluz na cidade de Fortaleza, colaborando para promover a prática do esporte no estado do Ceará.

Através deste projeto  o Instituto Povo do Mar IPOM tem como objetivos, fortalecer a política de incentivo aos esportes náuticos, principalmente ao windsurfe, fomentar o desenvolvimento e inventivar o windsurf no estado do Ceará.

A comunidade do Titanzinho é considerada um berço do surfe em Fortaleza. Isso se deve a localização privilegiada do lugar, que permite receber boas ondas o ano inteiro.

O windsurfe foi criado na década de 1960, pelo casal Newman e Naomi Darby, assim surfiu o protótipo do windsurfe. No entanto, a criativa idéia não foi bem recepcionada e o casal desistiu da invenção, antes de patenteá-la. Alguns anos mais tarde, em 1965, Hoyle Schweitzer (empresário e surfista) e Jim Drake (engenheiro aeroespacial e velejador), dois amigos que procuravam unir características do surf e com o velejo, patentearam o equipamento em 1968 e o batizaram de windsurfe.

O esporte é uma modalidade olímpica de vela. No mundo, o Hawaii, Ilhas Canárias, praia do Caribe são considerados ótimos lugares para a prática do windsurfe. É praticado com uma prancha idêntica à prancha de surf e com uma vela entre 2 e 5 metros de altura. Este desporto consiste em planar sobre a água utilizando a força do vento.

Aqui no Brasil as melhores condições para a prática do windsurfe se apresentam no Nordeste e, por isso, a região é escolhida para sediar a etapa brasileira do Campeonato Mundial. Os locais preferidos para a prática do esporte no Brasil são Lago Paranoá (DF), Rio de Janeiro, Ilha Bela (SP), Santa Catarina e Jericoacoara (CE), onde as condições de velejo e vento são extremamente favoráveis.